A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir sua proposta pedagógica e aprová-la no seu âmbito interno. Inexiste um roteiro oficial e o desenvolvimento deve ser feito através de uma equipe  multidisciplinar.   É recomendável que participem os principais colaboradores e também  representantes dos alunos, professores e comunidade. 

Continue a leitura…Leia artigos referentes a construção do PPP. 



Para começar…Algumas referências bibliográficas.

CANÁRIO, Rui (1995). Estabelecimento de ensino: a inovação e a gestão de recursos educativos. In: NÓVOA, António (coord.) As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote.
CEPAL/UNESCO (1992). Educación y conocimiento: eje de la transformación productiva con equidadSantiago:Chile.
CHESNAIS, François. (1996). A mundialização do Capital. São Paulo: Xamã.
CORAGGIO, José Luís (1993). Desarrollo humano, economia popular y educacion. El papel de las ONG latinoamericanas en la iniciativa de educación para todosNova York. Mimeo.
GIRARDI, Maria Neusa (1994). Autonomia da gestão escolar e as funções educacionais do Estado. Dissertação de Mestrado. São Paulo. PUC.
GRAMSCI, Antonio (1991). Maquiavel, a política e o estado moderno. 8ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
KRAWCZYK, Nora (1999). A gestão escolar: Um campo minado…Análise das propostas de 11 municípios brasileiros. In: Revista Educação e Sociedade. Ano XX – agosto/99 – nº 67. Campinas: Unicamp, Cedes.
LESSA, Sérgio. (1997). Trabalho e ser social. Maceió:EUFC/EDUFAL
LUKÁCS, György (1981). Per l´ontologia dell´essere sociale. Trad. de Alberto Scarponi. Roma: Editori Riuniti.
MÉSZÁROS, István (1981). Marx: a teoria da alienaçãoTrad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar.
_________(1993). Filosofia, ideologia e ciência social. Ensaios de negação e afirmação. São Paulo: Ensaio.
OYAFUSO, Akiko  e MAIA, Eny (1998). Plano Escolar. Caminho para autonomia. São Paulo: CTE.
PARO. Vitor Henrique (1997).Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática.
PIMENTA, Selma Garrido (1995). Questões sobre a organização do trabalho na escola. In: BORGES, Abel S. (org). et. al. A autonomia e a qualidade do ensino na escola pública. Série Idéias, 16. Edição especial. São Paulo. FDE.
PINTO, José Marcelino de R.(2002). Financiamento da educação no Brasil: um balanço do governo FHC (1995-2002). Educação e Sociedade, Campinas, v23, n 80, p. 109-136, setembro/2002.
ROMÃO, José Eustáquio. (2000). Dialética da diferença. O projeto da escola cidadã frente ao projeto pedagógico neoliberal. São Paulo: Cortez.
SAVIANI, Demerval (1994).O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETTI, Celso; ZIBAS, Dagmar M. L.; MADEIRA, Felícia R, e SILVA, Maria Aparecida (1994). Administração dos conflitos sociais: as reformas administrativas e educacionais como respostas às questões emergentes da prática social. (O caso de Minas Gerais). Tese de doutoramento.Campinas. UNICAMP. 
VALERIAN, Jean; DIAS, José Augusto. Gestão da escola fundamental: subsídios para a análise e sugestão de aperfeiçoamento. São Paulo: Cortez; Paris: UNESCO; Brasília: MEC. 1993.
WARDE, Miriam Jorge (org.). Novas Políticas Educacionais: Críticas e Perspectivas. São Paulo: Programa de Estudos Pós-graduados em Educação: História e Filosofia da Educação da PUC/SP. 1998.