A nova economia exige um novo perfil de liderança. Cai o gerente e nasce o líder. Substitui-se a imposição pela persuasão, a carreira pela missão,os objetivos pela visão compartilhada, o medo pela confiança e a individualidade pelo espírito de equipe.

Em tempos de mudanças constantes e aceleradas os novos líderes devem ser adaptáveis e flexíveis, mas sem perder a essência. É como a água, se colocada no copo, toma a forma de um copo, se numa bacia, também acompanha o mesmo formato, mas nunca deixa de ser a água.
A nova liderança está baseada em quatro pilares:

O primeiro é a Visão Compartilhada.

A equipe deve se sentir parte da visão de futuro e principalmente estar consciente que está participando da construção da ponte que leva o presente ao futuro. O líder que consegue engajar seu time nessa visão, já alcançou 50% do caminho para o sucesso.
A visão compartilhada é o maior de todos os incentivos, pois desperta nas equipes o sentimento de comprometimento, o que mais o empresário deseja ter de seus colaboradores. Mas porque as pessoas não se comprometem facilmente com a vida da empresa? Por que não se sentem construtores do futuro !
O líder deve ter 80% do seu tempo no futuro e 20% no presente, enquanto sua equipe é justamente ao contrário. Mas mesmo que a equipe esteja 80% no presente, ela deve ter a plena consciência para onde está indo, o que se espera dela e quais serão suas recompensas no futuro. Este é o primeiro desafio da nova liderança.

O segundo pilar é baseado na Inteligência Emocional.

A capacidade técnica de um líder representa 20% do seu sucesso, os outros 80% estão em suas competências intrapessoais e interpessoais.

A sua inteligência intrapessoal se resume na capacidade que o líder tem em lidar com suas próprias emoções; reconhece-las, controlar os impulsos negativos e ter facilidades em superar momentos difíceis, além de ter iniciativa, boa adaptabilidade e acima de tudo otimismo.

Já sua competência interpessoal, está baseada em sua capacidade de influenciar pessoas, criar empatia se colocando no lugar delas. Esta competência também exige que o líder goste de pessoas e descubra os seus talentos mais latentes. Em alguns casos é como petróleo, o líder precisará cavar fundo para encontrar o valor.

Esta competência é altamente desafiante, pois além de tudo, o líder tem que inspirar seu time e muitas vezes gerenciar conflitos.

O terceiro pilar é o conhecimento profundo do seu negócio e o entendimento das forças que o influenciam

Esta etapa é essencial para o sucesso na liderança. Sem o domínio do conhecimento de seu negócio, o líder dá vazão para tomada de decisões equivocadas e terá grandes dificuldades de comandar a sua equipe.
Ele deve não só conhecer o seu negócio, como também todas as forças que possam influenciar seus resultados, tanto internas; pessoas, processos, novos produtos, custos etc. Como as externas; mercado, fornecedores, concorrência, clientes.

Esta nova liderança exige que o líder conheça seu negócio, mas isso não significa que ele deva ficar totalmente voltado para ele, e sim para o como seu empreendimento poderá superar as expectativas do mercado. Muitas vezes o líder precisa desaprender sobre as regras que mantém seu negócio para aprender o que li garantirá o futuro. E esta visão, misturada com a agilidade é que manterá as empresas vivas no futuro.

O quarto pilar se baseia na inteligência espiritual do líder

A mentira, a falta de fé e de ética não tem espaço na nova liderança. Os colaboradores seguirão líderes confiáveis, transparentes e que acima de tudo são justos e de personalidade magnética. E este magnetismo só é alcançado por líderes que têm fé na vida e em Deus.

A inteligência espiritual está acima da religião, não exige dogmas, apenas serenidade, pois consiste em respeitar a vida, o meio ambiente, os seres vivos e estar em constante equilíbrio e harmonia como o todo.

A nova liderança é baseada em líderes íntegros e conscientes de sua missão, seus colaboradores devem se sentir tranqüilos, pois o novo líder irradiar paz.


Marcelo de Almeida